BUSCAR!
arte cego deficiência educação escolas evento inclusao

Principal
 

Surdos, sim!


5,7 milhões de pessoas têm deficiência auditiva no país e são tão competentes e profissionais quanto qualquer um!


Por Renata Rode Fotos Máximo Jr.

"FALAM QUE SURDO É 'MUDO' E INCAPAZ. ISSO É UMA MENTIRA. ASOCIEDADE PRECISA APRENDER A RESPEITAR NOSSA COMUNIDADE E ENTENDER QUE SOMOSTÃO CAPAZES QUANTO OS OUTROS" DIZ CELSO

Menino ousado

Sabe aquela carinha de garoto sapeca? Esse é Celso Badin e quem o conhece só tem uma certeza: esse menino tem muita história para contar. O professor de LIBRAS, ator e escritor nasceu surdo e não se diz deficiente. "Acredito que não sou deficiente, assumo ser identidade surda completa, já que Deus me criou para ser uma pessoa surda, e eu não adquiri essa deficiência ao longo da vida. Sou extremamente saudável, ativo e inteligente", diz.

Sou extremamente saudável, ativo e inteligente", diz.

Em 2001, ele lançou seu primeiro livro "A Juventude - O Carnaval e o Rio de Janeiro", pela Editora Aurea. Em 2004, Badin colocou seu primeiro filme no Festival de Cinema Mix Brasil. O curta-metragem "Entrevista com o surdo gay" fez sucesso e assim, o jovem lançou outros cinco DVDs para o público GLS. "Estou preparando outro livro e um novo filme e tenho certeza que vou surpreender novamente", alfineta.

Brincalhão, Celso demonstra que tem uma fortaleza dentro de si. Mora sozinho e trabalha como professor de LIBRAS. Sua popularidade pode ser conferida através de seus dois perfis no Orkut que estão lotados e carregam elogios em mensagens. "Aprendi a me virar só desde cedo já que meus pais faleceram. Tenho dois irmãos, uma surda e um ouvinte. Quero conquistar muito mais nesta vida. Não é porque sou surdo tenho que aceitar qualquer tipo de trabalho. Meu sonho é ser reconhecido em áreas que amo, como o cinema ou a televisão e não vou desistir disso".

De deficiente para deficiente: "Melhor, de Celso Badin para deficientes: sonhem. Sem sonhos nada se constrói. Todos os dias eu acordo feliz porque tenho a certeza de estar fazendo um ótimo trabalho na área da surdez, educação e cultura. Procurem estímulos de vida. Foi isso o que eu fiz".

"FICO INDIGNADA COM PRECONCEITO. AIGNORÂNCIA SOCIAL É EMBASADA PELA FALTA DE CONHECIMENTO DA VIDA DESSAS PESSOAS. UM SURDO É TÃO CAPAZ QUANTO EU, VOCÊ", DESABAFA MICHELLE

Sobrenome: dedicação

Michelle Cavalcanti poderia chamar-se "Michelle Dedicada". Sim, a paulistana apaixonou-se por LIBRAS em 92, quando viu pela primeira vez, uma palestra sendo traduzida em uma igreja. Hoje, a admiração pela linguagem tornou-se sua profissão. "Fico irritada quando as pessoas me perguntam se essa é uma profissão de verdade. Claro que sim! A língua foi reconhecida em 2002 e eu chego às vezes (e contra minha vontade) a recusar trabalhos por pura falta de tempo mesmo".

A morena revela que sofre retaliações o tempo todo, quando está em companhia dos surdos. "Quando estou com eles não uso minha voz, apenas a linguagem de sinais e como a surdez não é uma deficiência visível, as pessoas ao redor falam coisas e acham que eu não vou ouvir. Certa vez, almoçando em um shopping, uma idosa falou para sua filha: 'tadinha, tão jovem, bonita e surda-muda'... Eu fiquei sem palavras...". Por essas e outras, a intérprete trava também uma luta contra a discriminação. "Já fui chamada para intermediar diversas seleções de empresas e ouvi absurdos do tipo: 'eles sabem ler? Vão conseguir fazer contas'... É triste ouvir isso". Depois desse desabafo, Michelle revela que só outro comportamento consegue irritá-la ainda mais: a comodidade de alguns surdos. "A falta de perspectiva desses me deixa chateada. O manto de 'coitadinho' que eles podem vestir é perigoso porque os faz realmente sentirem-se inferiores e não são!". Ela lembra que não está generalizando, apenas aponta uma realidade que acontece com alguns surdos dessa comunidade.

Quando perguntamos se ela é feliz, o sorriso responde sozinho. Sua vida hoje é atrelada à vida e às conquistas dos surdos. Por isso, Michelle se considera a maior sortuda do mundo, em poder fazer parte disso e ajudar, de maneira profissional, a fazer a diferença, de alguma forma.

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2 | 3 | Próxima >>
 
Notícias :: 28/12/11
Artigo: Acessibilidade na Comunicação para Surdos Oralizados: Contribuições das Tecnologias de Informação e Comunicação
Notícias :: 12/01/12
A História Real de Winter, um Golfinho sem Cauda, no Cinema
Educação :: ed 67 - 2011
Suporte ao professor
Notícias :: 17/10/14
MEMORIAL DA INCLUSÃO APRESENTA EXPOSIÇÃO "NÃO VI" COM TEMA "ACESSIBILIDADE"
Notícias :: 07/10/14
Professores Cooperativos subsidiam ações inclusivas nas salas regulares
Notícias :: 30/09/14
Dia Mundial do Surdo: Desacelera projeto que prevê audiodescrição na programação televisiva
Edição 83 | EXPEDIENTE
NEWSLETTER
Receba nosso conteúdo exclusivo
BUSCAR!
 
 


 
 
 
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS